-- Global site tag (gtag.js) - Google Ads: 800368142 -->
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Muitos profissionais de SST vem me perguntando como está a questão da MP 905 e a não obrigatoriedade do CA para a comercialização do EPI (Equipamento de Proteção Individual).

Então vamos a este tema!

O que é a Medida Provisória n° 905, de 2019 e seu impacto na gestão de EPI?

A MP foi publicada pelo governo Bolsonaro no dia 12/11/2019, com o objetivo a desoneração da mão de obra, aumento da inclusão de jovens na força de trabalho e redução de desemprego.

No dia 17 de Março, o relatório da comissão mista que analisa a Medida Provisória, aprovou o texto com várias modificações. Agora, a MP precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado até o dia 20 de abril, ou perderá a validade.

O que muda com relação ao EPI e o CA (Certificado de Aprovação)?

 A proposta da MP altera o Art. 167 da CLT que descreve que um EPI somente pode ser comercializado com o CA válido. Com o novo texto o artigo fica com a seguinte redação.

  • Leia também sobre: NR9

Art. 167. O equipamento de proteção individual só poderá ser posto à venda ou utilizado com a indicação de certificado de conformidade emitido no âmbito do Sinmetro ou de laudos de ensaio emitidos por laboratórios acreditados pelo Inmetro, conforme o disposto em ato da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.”

Assim, de acordo com o texto o equipamento que tiver o certificado conforme as diretrizes do Sinmetro ou o laudo emitido por um laboratório credenciado pelo Inmetro, poderá ser comercializado e utilizado sem a necessidade de possuir o CA.

Qual o posicionamento a secretária do trabalho?

A secretaria emitiu um comunicado no dia 29 de novembro de 2019 na qual resumidamente diz que não seria mais emitido o CA (Certificado de Aprovação) dos equipamentos e que a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho publicará critérios de avaliação de EPI, o qual abordará aspectos como:

  • Critérios de aceitabilidade de relatórios de ensaio emitidos por laboratórios;
  • Critérios para avaliação de EPI nos termos da Portaria SIT nº 452/2014 – estabelece as normas técnicas de ensaios e os requisitos obrigatórios aplicáveis aos equipamentos de proteção.
  • Leia também sobre: NR9

O que é o RA?

Nos últimos dias, foram divulgados alguns comunicados com  relação  ao  RA  (Registro Animaseg) que iria “substituir” o CA.

O RA é um registro voluntário sugerido pela Animaseg, o qual tem como principal finalidade facilitar a busca das informações de um determinado equipamento em um único local.

  • Leia também sobre: PGR

Segundo o comunicado da Animaseg o EPI com CA válido não sofreria alterações, seria mantida a gravação do CA atual até o seu vencimento.

Já o EPI com CA vencido teria o CA substituído pelo RA. Exemplo: CA 9018 se tornará RA 9018.

É importante deixar claro que todas as obrigações de garantias do desempenho e funções dos equipamentos continuam valendo, a diferença é que o certificado , não será mais obrigatório.

Segundo Animaseg são 13.598 CAs hoje no país, e este cancelamento da exigência é devido a burocracia na emissão / renovação do CA que leva cerca de 6 a 9 meses e a fiscalização inexistente.

Em alguns casos uma melhoria do produto levava meses, já que poderia gerar a exigência de um novo CA, devido a alteração.

E como fica a compra do EPI pelos profissionais de Segurança do Trabalho?

Primeiramente temos que deixar claro que o EPI precisa ser adequado ao risco e deve ser a última opção no que se refere a hierarquia de controle dos riscos.

Estando cientes disso, devemos avaliar 4 pontos principais para a aquisição de um EPI.

1º Levantar os riscos aos quais o trabalhador está exposto;

2º Pesquisar junto ao mercado quais os equipamentos podem atender a demanda;

3º Avaliar a ficha técnica de cada equipamento de proteção individual e definir tecnicamente qual será a melhor opção;

4º Sem existência do CA acredito que teremos que solicitar os laudos e/ou certificados dos equipamentos para garantir que estão em conformidade com a legislação aplicável.

Ou seja, é possível fazer a gestão de EPI mesmo sem CA. Porém, acredito que irá demandar maior critério técnico do profissional de SST.

De toda forma, teremos que aguardar a aprovação do texto final pelo nosso legislativo.

 

Wesley Silva

  • Engenheiro de Produção e de Segurança do Trabalho;
  • Pós-graduado em Ergonomia e Direito Trabalhista e Previdenciário;
  • Diretor Técnico da Innove Consultoria e Treinamentos;
  • Instrutor e palestrante em diversos cursos;
  • Consultor em Segurança do Trabalho em empresas do ramo de construção civil, mineração e telecomunicações.

Há 13 anos atuando com gestão de segurança do trabalho.

 

Os artigos reproduzidos neste blog refletem única e exclusivamente a opinião e análise de seus autores. Não se trata de conteúdo produzido pela RSData, não representando, desta forma, a opinião legal da empresa.

 

 


Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

Open chat
1
Fale com nosso setor comercial! Como podemos te ajudar?