Comemora-se agora no mês de abril o Dia Mundial da Saúde. Este ano o tema de tal data escolhido foi “construir um mundo mais justo, equitativo e saudável”. Esta construção passa pelo meio ambiente de trabalho.

A definição da Organização Mundial Saúde (OMS) para o conceito de saúde é um tanto quanto utópica, pois trata saúde como o “perfeito bem-estar físico, mental e social, não apenas a ausência de doença”, algo inalcançável.

Contudo, justifica-se este conceito quando tratamos de políticas públicas e intenção das Nações. Seria um conceito atingível na prática?

O conceito de saúde é muito amplo, mas deve ser perseguido por todos, inclusive pelos profissionais que atuam na área de Saúde e Segurança no Trabalho.

Para atingirmos a “saúde” é necessário olharmos com atenção para o meio ambiente de trabalho. Passamos a maior parte de nossas vidas no trabalho, sendo inegável a influência que o mesmo tem em nossa saúde.

Esta visão deve estar inserida na cultura das empresas, que não podem encarar a Saúde e Segurança no Trabalho como um custo. Infelizmente observamos que os valores gastos pelas empresas com o meio ambiente de trabalho e sua melhoria é encarado como custo, em regra, quando, na verdade, deveria ser visto como um investimento.

Investimento este que é importante para a saúde de seus colaboradores, mas também para a saúde financeira das empresas.

É natural que o gestor, quando vai definir no que será aplicado os recursos financeiros da empresa, estabeleça prioridades e objetive resultados. Neste ponto, os profissionais da área de Saúde e Segurança ganham importância.

Somos nós que temos que demonstrar as vantagens do investimento em Saúde e Segurança no Trabalho, com medidas de prevenção e promoção a saúde, objetivando melhorar as condições de trabalho, reduzindo afastamentos, acidentes de trabalho/doenças ocupacionais e promovendo saúde.

Tudo isso trará retorno financeiro para a empresa, uma vez que implica aumento de produtividade, redução de absenteísmo, redução de custos com convênios/seguros médicos, redução do passivo trabalhista, previdenciário e tributário, além de gastos indiretos.

Estes valores são quantificáveis, mas por qual motivo não são palpáveis na maior parte das empresas?

Curioso observar que, no Brasil, parece pecado falarmos em dinheiro quando tratamos de Saúde e Segurança no Trabalho, quando, na verdade, é este o argumento que os profissionais da área devem apresentar as empresas. É claro que este não é o único argumento, mas trata-se de questão muito importante.

Aqui, confunde-se pessoa jurídica com pessoa física, empresa com empresário. A visão empresarial, com ente abstrato, é e deve ser o lucro. Empresa que não produz e não apresenta resultados não se mantém no mercado. Simples assim.  A empresa tem fins lucrativos!

Obvio que este objetivo não deve ser atingido a qualquer preço, muito menos as custas da Saúde e Segurança dos Trabalhadores. Mas não devemos apresentar números aos gestores para que entendam a importância do investimento em Saúde e Segurança no Trabalho?

A apresentação destes valores, investimento x retorno, demonstra que Saúde e Segurança no Trabalho não é apenas cumprir a legislação. Apresentar ao empresariado as vantagens deste investimento, de forma objetiva e palpável, aumentará os valores gastos nesta área.

Como consequência, teremos melhorias no meio ambiente de trabalho. Se queremos tratar de prevenção e promoção a saúde de nossos trabalhadores, precisamos refletir sobre isso.

Investimento em Saúde e Segurança no Trabalho faz bem para a empresa e bem para os trabalhadores, unindo o útil ao agradável.

Quanto ao conceito de saúde, tratado no começo do texto, particularmente, prefiro uma definição mais pragmática e atingível, como a que reproduzo abaixo:

“E, concluindo, dentro desse enfoque, não se poderá dizer que saúde é um estado de razoável harmonia entre o sujeito e a sua própria realidade?”
Marco Segre e Flávio Carvalho Ferraz. O conceito de saúde. Rev. Saúde Pública vol. 31 no. 5 São Paulo Oct. 1997
Será possível atingirmos uma razoável harmonia com nossa realidade?

Entendo que sim, com investimento em Saúde e Segurança no Trabalho podemos melhorar a saúde de toda a classe trabalhadora. Precisamos apenas convencer as empresas, utilizando os argumentos certos!

importancia-da-saude-ocupacional-custo-ou-investimento

Os artigos reproduzidos neste blog refletem única e exclusivamente a opinião e análise de seus autores. Não se trata de conteúdo produzido pela RSData, não representando, desta forma, a opinião legal da empresa. Importância da Saúde Ocupacional: Custo ou Investimento? Importância da Saúde Ocupacional: Custo ou Investimento?

Deixe uma resposta