-- Global site tag (gtag.js) - Google Ads: 800368142 -->
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Plano de emergência qual a relação com a NR 35 ?

 

No artigo anterior eu falei sobre a necessidade de construir um plano de resposta a emergências de forma a atender a NR 01(Norma regulamentadora)  no que se diz ao Gerenciamento de Riscos Ocupacionais (GRO) e também descrevi um pouco sobre a sua importância.

Já neste artigo vou falar um pouco mais sobre a resposta a emergências conforme a NR  35, ou seja, com o foco nos trabalhos em altura. É certo que os trabalhos em altura e seus riscos irão fazer parte do PGR (Programa de Gerenciamento de Riscos), sendo classificados no Inventário de Riscos.

Em seu item  35.6, que trata de  Emergência e Salvamento, a norma deixa evidente que cabe ao  empregador disponibilizar equipe para respostas em caso de emergências para trabalho em altura. Que pode ser uma  equipe  própria, externa ou composta pelos próprios trabalhadores que executam o trabalho em altura.

Logo, a equipe resgate pode ser pessoas da empresa que sejam especializadas no resgate em altura, podendo citar como exemplo uma equipe de Bombeiros Civis.

Já no ponto em que se diz que a equipe poderá ser formada pelos próprios trabalhadores que exercem trabalhos em altura, temos que estender que estes trabalhadores deverão estar capacitados a realizar salvamentos de emergência, resgate e inclusive o auto resgate, quando possível ou viável.

É importante destacar que o  treinamento de 8 horas(trabalhador autorizado), não prepara os trabalhadores para executar esta função. Seria necessário um treinamento complementar conforme o tipo de atividade a ser realizada e isso estaria previsto no plano de emergência, onde estaria descrito por exemplo a carga horária ,conteúdo programático do treinamento e periodicidade.

As pessoas responsáveis pela execução das medidas de salvamento devem estar capacitadas a executar o resgate, prestar primeiros socorros e possuir aptidão física e mental compatível com a atividade a desempenhar neste processo.

No caso de equipe externa, podemos pensar em Corpo de Bombeiros e SAMU como exemplos. Um detalhe neste ponto a ser pensando é qual o tempo de resposta destas equipes em caso de um acidente na minha organização.

Vamos imaginar que a organização ou local da atividade está a três horas da unidade externa ou corporação. Isso será um complicador no seu plano de resposta.

A norma ainda deixa claro que o empregador deve assegurar que a equipe possua os recursos necessários para as respostas a emergências.

Uma das maneiras de identificar os recursos que serão necessários é através de um processo de análise de risco, onde serão definidos os recursos para a resposta a cada cenário. Como por exemplo, a quantidade e tipos de cordas, fitas de ancoragem, cintos, sistema de vantagem mecânicas, macas e  outros.

Então a dica de gestão é:

Realize uma análise de todos os trabalhos em altura de sua empresa e veja se as medidas de resgate e salvamento estão presentes no seu plano de resposta, assim como os demais recursos necessários.

Caso não esteja, inicie o processo de levantamento e um plano de adequação.

 

Wesley Silva
· Engenheiro de Produção e de Segurança do Trabalho;
· Pós-graduado em Ergonomia e Direito Trabalhista e Previdenciário;
· Diretor Técnico da Innove Consultoria e Treinamentos;
· Instrutor e palestrante em diversos cursos;
· Consultor em Segurança do Trabalho em empresas do ramo de construção civil, mineração e telecomunicações.
A 13 anos atuando com gestão de segurança do trabalho.

 


Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

Open chat
1
Fale com nosso setor comercial! Como podemos te ajudar?