O Gerenciamento de Riscos é um processo de controle administrativo que existe para que você reconheça quando há um problema e tome medidas em tempo hábil.

A gestão de riscos precisa ser estratégica em uma organização, de modo a reduzir as incertezas a que ela está exposta. Tratando-se da gestão de riscos ocupacionais, ela precisa reduzir significativamente a possibilidade de danos à saúde e a vida do trabalhador ou até mesmo eliminar essa condição.

Podemos definir a estratégia como plano de ação para se atingir um objetivo ou resultado. É natural que cada plano tenha a sua própria incerteza. Assim, a tomada de decisão deve considerar a incerteza e os riscos em cada ação a ser implementada.

Em um contexto mais amplo, podemos definir a gestão de riscos como um sistema formal de identificação, medição e gestão da incerteza que existe em torno de um determinado resultado ou objetivo esperado. É uma ferramenta de tomada de decisão que se aplica tanto de forma dinâmica como proativa.

No processo de gestão de riscos, avalia-se continuamente a posição da organização com relação à capacidade de identificar e medir os riscos, desenvolvem-se respostas a fim de gerenciá-los e, no momento adequado, comunicar à toda a organização os novos desenvolvimentos relacionados aos riscos.

As empresas tomam decisões e assumem riscos todos os dias. Seu objetivo é agregar valor a suas partes interessadas: acionistas, trabalhadores, clientes e a sociedade em geral. Para que as decisões possam ser mais assertivas e possam atuar na redução dos riscos ocupacionais, precisamos identificar e analisar os riscos a que o trabalhador está exposto durante a vida laboral e é preciso assegurar que essa informação chegue a alta direção da organização.

É natural em nossa vida cotidiana que nós façamos a Gestão de Riscos. Durante o dia tomamos diversas decisões para reduzir os riscos a que estamos expostos.

Um exemplo muito básico é ter de cruzar uma rua ou uma avenida muito movimentada. Paramos, observamos ao nosso redor, avaliamos a situação, sinalização, fluxo de carros e, depois, decidimos se iremos cruzá-la ou não. Fazemos isso quase por instinto.

Felizmente, desenvolvemos um mecanismo que nos permite tomar tais decisões de forma automatizada. Nós o testamos e ele funciona, pelo menos até agora. Sabemos que os erros podem causar danos ou perdas significativas. Uma forma de pensamento semelhante à do caso individual pode ser aplicada ao processo de decisão de uma organização quando pensamos em riscos.

É importante entender bem os possíveis riscos aos quais estamos expostos, encontrar uma forma de identificá-los, medi-los, classificá-los e monitorá-los para ver se as medidas de controle implementadas funcionam corretamente e ser capaz de gerenciar os riscos de forma efetiva.

Grande parte do Gerenciamento de Riscos é gerenciar pessoas. Isso acontece porque grande parte dos Riscos Ocupacionais estão relacionados à operação, aos sistemas e aos processos internos.

No mundo moderno, a gestão de riscos “consiste em desenvolver processos e organizações flexíveis e sólidas” que possam resistir a diferentes tipos de incertezas enquanto aproveitam as oportunidades que agregam valor e contribuem para o crescimento. (CFA Research Foundation) A Practical Guide to Risk Management.

Os artigos reproduzidos neste blog refletem única e exclusivamente a opinião e análise de seus autores. Não se trata de conteúdo produzido pela RSData, não representando, desta forma, a opinião legal da empresa.

Deixe uma resposta