-- Global site tag (gtag.js) - Google Ads: 800368142 -->
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Muitas das vezes nos deparamos uma dificuldade na estrutura para:

Como montar um Curso?

Como montar um Treinamento a ser aplicado na minha empresa?

Começa aí o grande martírio de muitos profissionais que não sabem como elaborar e por onde começar, então um roteiro com 10 dicas certamente ajudará na solução deste problema.

Como montar um bom treinamento?

Vamos então conhecer e entender um pouco destas dicas, e criar treinamentos incríveis?

  1. Fazendo-se Ouvir

O momento em que os participantes estarão dispostos a realmente a dar a atenção é quando você estiver transmitindo informações de que realmente eles necessitam, não conheçam ou que seja novo e será cobrado pela fiscalização, ou seja, se não for importante, o interesse é baixo.

Isto quer dizer que um treinamento ou curso terão melhores resultados se for feito muito próximo da necessidade de uso, ou durante quando novas legislações ou estruturas técnicas exigirão um conhecimento daquele profissional.

Se o tema a ser apresentado já se enquadra naturalmente nestes requisitos, já estamos a meio caminho andado.

Se não se enquadra, busque informações, e se concentre em identificar as dificuldades imediatas para os temas a serem elaborados propostas.

  1. Encontre Símbolos

Para que os participantes entendam com clareza o que será transmitido, procure analogias imediatas com sua realidade.

Isto quer dizer que se você vai ensinar juros compostos a um padeiro, explique que os juros atuam como o fermento da massa.

Se for ensinar juros a um corretor de imóveis, ensine que é como um aluguel que se paga pelo imóvel alugado em uma data determinada e no caso o locatário acabou pagando mais devido ao atraso.

Utilize de exemplos já ocorridos na mídia ou também aqueles eventos os quais foram vivenciados com a sua experiência em algum momento, seja criativo, lúdico e estimule a participação de todos.

  1. Organize de Forma Lógica

Independente da grande importância de cada tema inicie transmitindo tudo que será necessário para que os participantes entendam o que virá no projeto proposto do treinamento ou curso.

Por exemplo, se você vai ensinar literatura brasileira, comece explicando um pouquinho de português. Se você vai falar de seguros, comece explicando sobre a dor que uma pessoa sente com suas perdas materiais e familiares.

Elabore a estrutura do Curso ou Treinamento de forma gradativa em relação ao tema que será ministrado, monte um roteiro.

  1. Use a Lei da Ignorância

Quem vai participar cria uma expectativa sobre como o Curso ou Treinamento será ministrado, onde o mais importante que você deve ter como uma “vantagem” é que somente você sabe o que será e como será ministrado, então saiba utilizar desta “vantagem” não antecipando tudo que será apresentado.

Nem todos possuem o mesmo nível de entendimento ou formação, por isso é preciso tomar cuidado para não “contar” que todos tenham níveis homogêneos de conhecimento (background).

Faça uma rápida pesquisa antes de iniciar o Curso ou Treinamento de forma a nivelar o conhecimento dos participantes, caso não seja possível, considere que possuem o pouco conhecimento possível sobre o assunto, se demonstrarem um conhecimento prévio, o nível de informações irá permitir que você ajuste a forma do aprendizado, podendo ser bem mais aprofundado.

Mas na maioria dos casos as pessoas irão concordar ou não com tudo que você disser, inclusive quando perguntar se entenderam…

Se houver uma pergunta na qual você não saiba no momento respondê-la, se tranquilize e naturalmente não tenha o receio de não conhece ou naquele momento não tem como explicar, mas que estará verificando e dando o retorno a todos. Porém tome o cuidado para que esta situação no decorrer do Curso ou Treinamento seja frequente, pois demonstrará um despreparo técnico e irá gerar uma insegurança dos participantes.

  1. Use a Lei dos Pratos Limpos

O fato de somente participar de um Curso ou um Treinamento, não necessariamente garante o resultado esperado, pois muito dependerá do participante.

O fato de passar detergente e lavar com água, não garante que o prato esteja limpo. O fato de você ministrar corretamente o Curso ou Treinamento, não garante que os participantes entenderão tudo devido a limitação técnica de cada um.

Guie-se pela forma de interação, as dúvidas e o “feedeback” dos participantes e não pelo que foi apresentado no Curso ou Treinamento.

  1. Mantenha o Ritmo

Seja um Curso ou Treinamento presencial ou a distância, é preciso que se imponha um ritmo marcado em cada tópico a ser transmitido, evitando que os participantes dispersem.

Treine com um cronômetro o tempo para cada slide, pense nas falas. Trate seu slide como música: Tem que ter uma chamativa introdução, um ritmo dançante, um solo no meio, e finalizar de forma tranquila, para não ficar chato!

Se você for executar o Curso ou Treinamento em módulos, mantenha um intervalo controlado entre cada módulo, permitindo aos participantes um melhor tempo para estudarem, medir o aprendizado e produtividade e se houver dúvidas, apresentá-las que por ventura ocorram.

  1. Recuperação de Verão

Acostuma-se ministrar um Curso ou Treinamento residual, quando há uma alteração na legislação ou devido ao tempo que este Curso ou Treinamento foi ministrado, necessitando de uma Reciclagem, reforçando pontos novos ou pontos que não foram bem assimilados.

Esta situação ocorre de acordo com a demanda de uma empresa do de até alguns profissionais que desejam se atualizar por não terem aplicado os conhecimentos de Cursos ou Treinamento que participou a algum tempo.

  1. A Lei do Motorista

Lembra quando você teve suas primeiras aulas de direção? Parecia que nunca ia aprender todos aqueles movimentos com marcha, pedais, não é?

Hoje você gerencia muito bem e sem pensar, a embreagem, o freio e acelerador…

Todos os Cursos ou Treinamentos são iguais quanto ao tempo para assimilação e aplicabilidade do conhecimento adquirido conforme a maturidade profissional de cada participante.

Tudo que foi transmitido terá um período em que os participantes poderão ter uma certa dificuldade ou necessidade de tempo para pôr em prática o ensinamento adquirido.

Não foi você que transmitiu errado o conteúdo, os participantes respondem individualmente conforme suas limitações. Tudo o que eles precisam é de apoio e, em poucos meses, tudo acontecerá naturalmente.

  1. Estudante ou Aluno

Quando vamos ministrar um Curso ou Treinamento, devemos analisar se os participantes serão alunos ou estudantes.

O Aluno irá participar, interagir, muita das vezes de forma moderada ou em alguns casos silenciosa, se limitando somente a ouvir.

O Estudante será o participante que terá um nível de interatividade bem elevado e uma busca por mais conhecimento, sendo aquele que irá absorver o Curso ou Treinamento em seu máximo e buscará mais informações para complementar seu conhecimento.

Lembre-se de mostrar esta diferença aos participantes.

  1. Networking

O Networking que o Curso ou Treinamento pode promover aos participantes é muito importante para futuras oportunidades profissionais, além de poder criar laços de amizade e parcerias, pense nisso!

As 10 regras apresentadas já te permitiram com sua experiência profissional a elaboração e condução dos Curso ou Treinamentos que você estará ministrando.

 

Paulo Leal – Ergonomista/Engenheiro de Segurança do Trabalho

Consultoria e Mentoring em SST, eSocial e Ergonomia

 

Os artigos reproduzidos neste blog refletem única e exclusivamente a opinião e análise de seus autores. Não se trata de conteúdo produzido pela RSData, não representando, desta forma, a opinião legal da empresa.

  

 

 

                                                                

 

 


Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

Open chat
1
Fale com nosso setor comercial! Como podemos te ajudar?