-- Global site tag (gtag.js) - Google Ads: 800368142 -->
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Informação é a melhor prevenção ante o Coronavírus

O COVID 19, conhecido como Corona Vírus, já é uma realidade no Brasil: o primeiro caso no país acaba de ser confirmado pelo Ministério da Saúde, sendo um homem que mora em São Paulo, tem 61 anos, e viajou a Itália recentemente.

O caso foi confirmado com prova no Hospital Albert Einstein e contraprova no Instituto Adolfo Lutz, e, além dele, no país há outros 20 em investigação e 59 suspeitas já foram descartadas. Segundo o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a fase no país ainda é de prevenção. Caso o número de casos no Brasil aumente consideravelmente, poderá haver migração para a fase de mitigação.

Em se tratando de prevenção, vale ressaltar que este é um fator importante também no ambiente de trabalho. Para isso, as normas de Segurança e Saúde do Trabalho incluem aspectos fundamentais da área de prevenção, que podem ser, no momento atual, atrelados a questões relacionadas ao Corona Vírus.

Por exemplo, o que tange a EPI. Pelo artigo 166 da CLT, toda empresa é obrigada a fornecer a seus funcionários, de forma gratuita, Equipamento de Proteção Individual adequado ao risco do trabalho de cada um, sendo os equipamentos em perfeito estado de conservação, com CA (Certificado de Aprovação) emitido pelo ME (Ministério da Economia), comprovando a qualidade mediante testes.

Mas o trabalhador também tem sua parcela de obrigações em relação ao EPI, e é aí que entra a questão da prevenção, especialmente em tempos de Corona Vírus. Segundo a NR 6, os trabalhadores têm obrigação de usar o EPI apenas para a finalidade a que se destina e de se responsabilizar pela guarda e conservação do mesmo, além de manter atenção à higienização do EPI, que é fundamental para, entre tantas outras funções, também evitar a proliferação de vírus, como o caso do Covid 19.

Assim, além das recomendações de higiene pessoal listadas logo abaixo neste artigo, convém estar atento à higienização do EPI, principalmente todo equipamento que tenha contato com as mãos e o rosto (luvas, máscaras etc).

Mas atenção: a higienização precisa sempre ser feita seguindo o que recomenda o fabricante do EPI e o empregador que o fornece, já que uma limpeza feita de forma inadequada pode descaracterizar o equipamento, levando à perda de suas funções de segurança e saúde.

DEMAIS RECOMENDAÇÕES QUANTO AO CORONAVÍRUS, NA FASE DE PREVENÇÃO, SÃO:

Cada pessoa infectada pode transmitir o vírus para duas ou três pessoas, em alguns casos chegando a sete. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o período de incubação varia de 0 a 14 dias, mas já há estudos apontam que os sintomas aparecem de 9 a 10 dias.

Para prevenir, convém evitar aglomerações desnecessárias, cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar, lavar as mãos várias vezes ao dia, principalmente após tossir ou espirrar, não compartilhar copos, talheres, canudos e afins.

PRINCIPAIS SINTOMAS (até o momento)

  • Febre
  • Tosse
  • Dificuldade para respirar.

COMO PREVENIR O CORONAVÍRUS?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.

Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

SEM PÂNICO

Ainda conforme o Ministério da Saúde – e a própria Organização Mundial da Saúde – não há motivo para falar em pandemia, nem para entrar em pânico. Isto porque, apesar de haver um número acentuado de infecções globalmente, chegando a 80.988, a taxa de mortalidade é baixa, em torno de 2%, e, estatisticamente, de cada cinco pacientes infectados, quatro têm sintomas leves e se recuperam bem, muitas vezes sem necessidade de qualquer tratamento.

Os casos mais graves têm sido registrado, em 80% dos casos, em pessoas cujo sistema imunológico é menos favorecido, como é o caso de idosos acima de 60 anos, pessoas hipertensas ou com outras doenças que desfavoreçam a defesa natural do organismo.

LEMBRE-SE: Informações devem ser buscadas e acompanhadas através dos canais oficiais do governo, no site do Ministério da Saúde (https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/coronavirus), o resto é especulação.

Anexo, um material do Hospital Albert Einstein com mais informações sobre o Coronavirus. Informe-se e acompanhe o assunto, sempre lembrando: não é necessário entrar em pânico, somente tomar as precauções necessárias e, em caso de suspeita de infecção pelo vírus, procurar o serviço de saúde. Na maioria dos casos, o quadro, se confirmado, se resolverá por si só, não devendo gerar problemas mais graves para a pessoa acometida ou para quem a cerca.

Segue material divulgado pelo Hospital Albert Einstein: Einstein_Informativo_4 LINK 3

 


Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

Open chat
1
Fale com nosso setor comercial! Como podemos te ajudar?