-- Global site tag (gtag.js) - Google Ads: 800368142 -->
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  


O mundo não será mais o mesmo! Será mais Seguro. Mais Saudável e melhor Preparado

Diante da subestimada, negligenciada e temida pandemia do coronavírus, os governos, nações, instituições, profissionais e atividades  estão vivenciando uma crise sem precedentes e situações jamais previstas ou imaginadas, com impactos que já sinalizam mudanças definitivas em nossa sociedade. Profetiza Tedros Adhanom Ghebreyesus – Etíope, Diretor Geral da Organização Mundial da Saúde ( OMS), desde 2017, que é  acadêmico e autoridade de saúde pública. Graduado em biologia, pesquisador de malária reconhecido internacionalmente e doutor em saúde comunitária: Pós COVID – 19 o mundo não será mais o mesmo! Ressurgirá mais SEGURO. Mais SAUDÁVEL. Mais PREPARADO

Ao examinar recente entrevista com o Coordenador do MBA Executivo em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios da FGV/Decision, Prof. Dr. Antonio André Neto, percebe-se que o mesmo  apresenta algumas reflexões pontuais para este período de pandemia, e concordamos com suas impressões sobre a instauração das crises atualmente enfrentadas pelos brasileiros – crise de saúde, econômica e política. Além disso, é notório as práticas correntes do eterno “jeitinho brasileiro” criminoso e irresponsável  para levar vantagens comerciais em cima da tristeza, do luto, da perda irreparável, imensurável e irreversível para tantas famílias. Todavia, urge rapidez, precisão e disposição para assegurar respostas à emergências em cenários adversos e  possíveis para a superação delas. O valor maior inquestionável é a vida, paralelamente se possível, ou a posteriori o planejamento econômico e investimentos necessários para superá-los.

Os dados do Copom, sinaliza que o Brasil passou de um cenário econômico favorável para desafiador, a partir da desaceleração global provocada pelo coronavírus. Assim, a pandemia impacta diretamente nossa economia e deve afetar diretamente o bolso do brasileiro nos próximos meses. Se não há compradores, não adianta produzir; pois não há pra quem vender e, numa guerra as prioridades e valores passam a ser outros. Tudo tem origem na incompetência e incapacidade de prever, mas principalmente no lerdo e despreparo para contenção / mitigação / plano de respostas à emergência.

A máscara caiu. A farsa acabou. Deixamos de dar valor, de dar importância e priorizar o que realmente importa: A segurança e a Saúde como necessidade básica e de sustentabilidade (Pirâmide de necessidades de A. H. Maslow).

 — O cenário mostra mudanças importantes nos hábitos de consumo, acesso mais difícil ao crédito e menos dinheiro no bolso. Ou seja, tudo leva a redução significativa no consumo, especialmente dos bem não considerados essenciais. O comportamento e a cultura, agora muda! Por absoluta necessidade. Novos tempos; nova era. A era de Segurança/Proteção, da Saúde e da Capacidade de repostas rápidas, precisas e cirúrgicas ante a eventos desta magnitude.

Organismos internacionais especializados, outrora tão preciosistas e acreditados em suas previsões – falharam. E agora José? Agora preveem diariamente em suas planilhas recessão, travamento da economia mundial, rearranjo das matrizes econômicas, produtivas, comerciais e de cooperação internacional. Novas organizações e blocos econômicos. Novas formas de pensar, produzir e de fazer negócios inclusivos, com maior responsividade e assertividade.

Pode se apontar, sem a menor dúvida, que esse erro (deixar de prever um estrago produzido por um vírus e responder com mitigação eficaz),  que quase todas as grandes economias do mundo irão entrar em recessão, com declínio econômico por ao menos dois trimestres consecutivos.

No Brasil, certamente a queda no PIB será significativa. Ainda não se pode vislumbrar em quanto tempo a pandemia vai passar e, além disso, haverá um período de vários meses no processo de retomada da economia. Por tudo isso, na melhor das hipóteses vamos começar a sair do fundo do poço apenas no último trimestre, isso, se não houver impactos políticos mais relevantes, no país do jeitinho e das “caneladas”.

 “Uma nova era: já tivemos o pós-guerra, em breve vamos viver o pós-pandemia”
Alguns analistas ponderam que esta crise será comparável ou até mesmo pior que a Grande Depressão, nos anos 1930. Logo, surgem diferentes perspectivas econômicas para analisar a dimensão da crise no Brasil:

— Vivemos em uma época diferente. Em nome da “liberdade econômica” afrouxamos regras de proteção ao trabalho, à segurança, e à saúde ocupacional. Não basta mais ser Responsivo – aquele que  reage ou responde de forma esperada ou apropriada em determinada situação; é necessário Responsividade: que é o comportamento de dar resposta, comportamento responsivo, de solucionar, tomar a responsabilidade para si, recepcionar questões e dúvidas no intuito de respondê-las positivamente considerando valor a vida, a segurança e a saúde ocupacional e das pessoas. Atualmente, vivemos a fragmentação e transformação das relações de trabalho, com novos modelos e o aumento da informalidade, que podem influenciar a crise econômica causada pela pandemia.

O modelo manufaturado, artesanal, amontoados em galpões ou ambientes similares, de pé, repetitivo, monótono, em ritmos excessivos montados pela máquina ou interesse econômico (produtividade), ocupação ou exploração de mão de obra de pouco instrução ou qualificação, sem levar em consideração as necessidades básicas de saúde e proteção do trabalhador se revela em toda a perversividade. Foco evidenciado de potencialização da pandemia, revela-se cumpridor do rigor das medidas e protocolos estabelecidos pela autoridade sanitária. Segundo autoridades publicas, motivação de interdição, inclusive por falsa afirmação de cumprimento de dever – proteger o trabalhador pelas medidas sanitárias obrigatórias.

— Aqueles que têm emprego que possibilite o trabalho remoto ou possam prestar seu serviço remotamente e estão se adequando, sofrerão menos. De um modo geral, apesar de tudo, a crise está sendo uma grande alavancadora de novos modelos de trabalho e de negócios.

Podemos ainda verificar outras mudanças em modelos de trabalho no futuro:

— Os negócios online , sejam de venda, entrega, ensino que ainda precisa melhorar muito o modelo e práticas pedagógicas,  entretenimento, bancário, serviços como contabilidade, medicina, advocacia, psicologia, entre outros, certamente utilizarão mais destes meios. De todos os empregados que hoje estão trabalhando remotamente, apenas uma parte deles voltarão a trabalhar nos escritórios. Muitos metros quadrados de salas serão devolvidos aos proprietários, causando grande impacto no valor dos aluguéis, e na oferta de novos imóveis. A grande maioria das reuniões presenciais serão substituídas por vídeo conferências, reduzindo de maneira muito importante a demanda por táxis, voos e quartos de hotéis. Uma parte significativa das empresas que dispensaram empregados diz que voltarão a contratar apenas uma parte deles. Ou seja, todos os setores da economia serão afetados, seja para melhor, seja para pior.

Para superar tudo isso, uma grande movimentação é essencial quanto ao posicionamento de empresas e gestores, a fim de evitar uma crise global de proporções ainda maiores.

— O comportamento e os valores das pessoas vai mudar. Elas estão se questionando: será que eu realmente preciso disso? As empresas precisam trabalhar para mostrar o valor e a importância daquilo que elas vendem, a chamada Proposta de Valor. É indispensável?  Se não é, deixa de ser prioritário. O cliente e as suas compras serão muito mais seletivas. O comércio online está passando a ser a principal opção. As lojas físicas vão, cada vez mais, passar a ser um ponto de demonstração de produtos físicos. Isso vai levar a um redesenho das lojas, reduzindo seus tamanhos e ofertas. As vendas dependerão menos dos canais de varejo. As indústrias poderão vender diretamente para os consumidores finais. Ou seja, estamos mudando de era, já tivemos o pós-guerra, agora vamos começar a viver o pós-pandemia.

 Preparado? Diferenciado?

Compreender e avaliar cenários, necessidades, pontos fortes, pontos fracos, ameaças e oportunidades (Matriz Swot). Em transformação, permanecerá e se consolidará aqueles que consolidadamente aos valores e não mais as “prioridades” ditadas e passageiras

Todos, absolutamente todos num dantesco em esforço coletivo de valorização, ainda permeando regiões de incertezas, mas preparados para respostas rápidas, seguras, saudáveis e eficazes.

 As boas práticas de gestão em segurança e saúde ocupacional(GRO – PGR- ISSO 45001) com desdobramentos em técnicas eficazes, validadas e cientificamente reconhecidas,  com o comprometimento de todos – sim pois não basta mais apenas envolvimento não, nos permitirá trocar de turma (upgrade). Definitivamente que venha esta nova era! Jamais estaremos prontos. Preparados sim para o enfrentamento nesta outra dimensão. Valor à vida como maior patrimônio!

 

Somente a busca sistemática e continua poderá assegurar padrões consolidados de melhorias em SST.

Pedro Valdir Pereira
Consultor de Saúde e Segurança do Trabalho
Instrutor de Treinamentos Credenciado pelo Corpo de Bombeiros/ RS Matrícula  000185/2011 e  00379/2013
Técnico Internacional em Emergências Químicas  – Especialista  pela NFPA 472 – HazMat Technician Standard  for Professional Competence of Responders to Hazardous Materials Incidents – Technician Level – transportation technology center, University of Texas – inc. USA
Safety Technician – Ergonomics, Occupational hygienist, Health and Safety
Delegado Eleito para representar o RS na Conferência Nacional de Defesa Civil – Brasília em NOV 2014


Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

Open chat
1
Fale com nosso setor comercial! Como podemos te ajudar?