-- Global site tag (gtag.js) - Google Ads: 800368142 -->
Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Dando continuidade ao artigo da semana passada sobre o risco ocupacional VIBRAÇÕES.

Empresas do Grupo BALBINOT, disponibilizam ao mercado Brasileiro a mais  moderna tecnologia de análise para o Gerenciamento da Vibração Ocupacional em suas atividades empresariais. Uma experimentada equipe técnica de consultores a sua disposição para esclarecimentos, avaliações, elaboração de Laudos e programas pertinentes a atividade de SST.

Reconhecer e Identificar os riscos, analisar, diagnosticar e estabelecer medidas de controle é atribuição daquele que gera o risco. O passivo Gerado aos seus negócios pode trazer implicações nas esferas Trabalhista, Civil, Criminal e Previdenciária. 

1) A exposição ocupacional à vibração é frequente na atividade humana e seus efeitos na saúde do trabalhador são consideráveis, sendo necessários, portanto, avaliação, gestão e controle.

 No ambiente industrial é frequente a simultaneidade entre ruído e vibrações.

No entanto, os efeitos que estes dois agentes podem causar aos trabalhadores são diferentes:

  • Ruído desenvolve a sua ação fundamentalmente em relação a um órgão, o ouvido.
  • As vibrações afetam zonas mais extensas do corpo, inclusivamente a sua totalidade.

Na realidade, as vibrações transmitem-se ao organismo segundo três eixos espaciais (x, y, z), com  características físicas diferentes, e cujo efeito combinado é igual ao somatório dos efeitos parciais, tendo  ainda em conta as partes do corpo a elas sujeitas.

O resultado desta ação conjunta pode afetar nomeadamente:

  • As condições de conforto;
  • As condições de segurança e saúde;
  • A diminuição da capacidade de trabalho.

2) Efeitos das Vibrações sobre o Organismo

Os efeitos da vibração direta sobre o corpo humano podem ser extremamente graves, podendo danificar permanentemente alguns órgãos do corpo humano.

Nos últimos anos, diversos pesquisadores têm reunido dados sobre os efeitos fisiológicos e

psicológicos das vibrações sobre o trabalhador, como perda de equilíbrio, falta de concentração e visão turva, diminuição da acuidade visual.

As vibrações podem afetar o conforto, reduzir o rendimento do trabalho e causar desordens das funções fisiológicas, dando lugar ao desenvolvimento de doenças quando a exposição é intensa.

  • O homem apercebe-se das vibrações compreendidas entre uma fração do hertz (Hz) e 1000 Hz, mas os efeitos diferem segundo a frequência.

3) Danos à saúde

A repetição diária das exposições a vibrações no local de trabalho pode levar a modificações doentias das partes do corpo atingidas.

O tipo de doença é diferente para as duas partes do corpo mais sujeitas às vibrações:
• as oscilações verticais, que penetram no corpo que está sentado ou de pé sobre bases vibratórias (veículos), levam preferencialmente a manifestações de desgaste na coluna vertebral;

  • as oscilações de ferramentas motorizadas geram maioritariamente modificações doentias nas mãos e braços.

As consequências das vibrações mecânicas transmitidas a todo o corpo refletem-se sobretudo ao nível da coluna vertebral com o aparecimento de hérnias, lombalgias, etc e podem ser classificadas em duas categorias correspondentes a duas classes de frequências vibratórias:     

a) As vibrações de muito baixas frequências (inferiores a 1 Hz) o mecanismo de ação destas vibrações centra-se nas variações de aceleração provocadas no aparelho vestibular do ouvido, sendo responsáveis pelo “mal dos transportes” que se manifesta por náuseas e por vômitos.

b) As vibrações de baixas e médias frequências (de alguns Hertz a algumas dezenas de Hertz) correspondem perturbações de tipos diferentes:

– Patologias diversas ao nível da coluna vertebral;

– Afecções do aparelho digestivo: hemorróidas, dores abdominais, obstipação;

– Perturbação de visão (diminuição da acuidade visual), da função respiratória e, mais raramente, da função cardiovascular;

– Inibição de reflexos.

 4) Patologias da Mão e Braços

É no Sistema Braço – Mão que as consequências das vibrações são mais severas.
Nas ferramentas motorizadas atingem-se altas acelerações oscilatórias nas mãos e articulação do pulso.

Trabalhadores usando há anos ferramentas motorizadas (ex. motosserras ou martelos pneumáticos) podem apresentar diversas patologias nas mãos e braços, tais como:
“Dedos mortos” – doença de Raynaud

A exposição diária a vibrações excessivas durante vários anos pode originar danos físicos permanentes que resultam normalmente no denominado Síndrome dos Dedos Brancos, ou em lesões dos músculos e articulações do pulso e/ou do cotovelo.

Elas manifestam-se através dos “dedos mortos”. Com isto, alguns dedos ficam – normalmente o dedo médio – branco até azulado, frio e “sem sentidos”. Após algum tempo, os dedos voltam a ficar vermelhos e doloridos. Esta doença tem por base a contração espasmódica dos vasos sanguíneos é conhecida também como doença de Raynaud.

Estas doenças são observadas em trabalhadores em minas, que utilizam perfuradoras leves a ar comprimido com altas frequências. Além disso, os trabalhadores florestais também são atingidos por estas doenças, pois trabalham muito com motosserras com frequências de 50 a 200 Hz.

Os “dedos mortos” surgem no máximo após 6 meses de trabalho com uma ferramenta vibratória. Para isto, o frio parece ter uma grande importância. A doença surge mais nos países nórdicos do que nos países quentes. Supõe-se que o frio aumenta a sensibilidade dos vasos sanguíneos às vibrações e promove a constrição dos vasos.

Em trabalhadores que usam ferramentas motorizadas com altas frequências, são observadas também perturbações da circulação e da sensibilidade. Como exemplo destas máquinas, podem referir-se as polidoras com 300 a 1.000 Hz. Surgem inchaços dolorosos com perturbações da sensibilidade nas mãos, que muitas vezes não são passageiras.

5) Avaliação das Vibrações

O procedimento genérico para a avaliação das vibrações é similar à do ruído, nomeadamente:

  1. Medir a aceleração em valores eficazes.
  2. Ponderar a aceleração em função das frequências, no sentido de tomar em consideração as características e reações do organismo humano.
  3. Considerar a exposição diária a que os trabalhadores estão sujeitos.
  4. Comparar os valores ponderados com os estabelecidos pelas normas e/ou outros estudos cientificamente fundamentados

6) Controle das Vibrações

  • A regra fundamental é combater prioritariamente o estado de ressonância

O controle das vibrações pode ser basicamente conseguido por 3 processos:

  • redução das vibrações na origem;
  • diminuição da transmissão de energia mecânica a superfícies potencialmente irradiantes;
  • redução da amplitude de vibração das superfícies irradiantes atrás referidas.

– Redução das vibrações na origem

O controlo de vibrações na origem é geralmente eficiente, mas pode não ser exequível se requerer novo desenho do equipamento ou uma modificação onerosa.

– A primeira providência em relação às vibrações é tentar reduzi-las junto à fonte.

– Deve-se estudar particularmente as vibrações que provocam ressonâncias.

– Em outros casos, as vibrações também podem ser eliminadas por meio de lubrificações e manutenções periódicas das máquinas e equipamentos, ou colocando-se calços de borracha observadores de vibrações.

– Isolar a fonte

– Quando não for possível eliminar a fonte, esta pode ser isolada, para que o trabalhador não entre em contacto direto com ela.

– Esse isolamento pode ser feito pela distância, afastando-se a fonte ou usando-se algum tipo de material isolante para enclausurar a fonte de vibrações.

– Uma forma parcial de isolar a fonte é conseguida evitando-se as pegas muito apertadas, sempre que não for necessário transmitir força para as ferramentas manuais.

Controle da transmissão

Quando não se pode agir sobre os esforços excitadores é necessário atuar sobre a transmissão.
O controlo de vibrações através de alterações no percurso de transmissão pode revestir duas formas:
• Suprimir o meio transmissor  (Ex:. separar uma cabina duma estrutura vibrátil – anteriormente solidárias).

  • Realizar montagens anti-vibratórias:
  • introdução de elementos resilientes, tais como molas ou apoios em borracha (ou ainda em fibra de vidro ou cortiça) que reduzem a transmissão de energia vibratória;
  • tratamento amortecedor dos elementos estruturais que compõem o percurso de transmissão, de modo a absorver parte da energia vibratória produzida.

– Redução da amplitude das vibrações

A redução da vibração de superfícies irradiantes consegue-se através da adição de massas àquelas superfícies.

7) Proteção do Trabalhador

Se as providências anteriores não forem suficientes, pode-se proteger o trabalhador individual com certos equipamentos como botas e luvas, que ajudam a absorver as vibrações.
No caso de ruídos, podem ser usados também os protetores auriculares. O uso desses equipamentos de proteção individual deve ser cuidadosamente considerado, pois a maioria dos trabalhadores não gosta de usá-los e eles costumam ser eficientes apenas em determinadas frequências de vibrações.

8) Instrumentos de Medida

Os instrumentos mais utilizados para a medição das vibrações, são:

Acelerômetros(03 Unidades, sendo:  01 (VCI), 01 (VME) e 01(VMD)

Este equipamento de medição consta geralmente de:

– um transdutor (ou captador);

– um dispositivo de amplificação (elétrico, mecânico ou óptico);

– um indicador ou registrador de amplitude ou de nível;

– Analisadores de freqüência.

O LTCAT INSS – Vibração

O LTCAT é um Documento Instituído pelo INSS através do Artigo 58 da Lei 8.213/91 ( e NÃO pelo Mtb). No Anexo IV do Decreto 3048/99 encontra-se o rol dos agentes que quando ultrapassados os LT geram direito ao trabalhador de Aposentadoria Especial e outros desdobramentos para a Receita previdenciária

O PPP INSS Segundo a LEI 9732 DE 11.12.98 Art. 58 Determina que o formulário do INSS deve ser preenchido com Base no LTCAT. Haverá multa para a Empresa que deixar de manter atualizado.

A LEI 9528 DE 10.12.97 Diz que a Empresa deve manter Laudo Técnico atualizado para todos os agentes Nocivos

 

O FUSION DA  01dB

FUSION, Smart Sound & Vibration Analyzer. O FUSION se impõe como um concentrado de tecnologias que se adapta com toda a simplicidade a todas as situações de medição, com 3 importantes pontos fortes:

Vibração sem fio: Puxar cabos reduz a eficácia operacional: FUSION os elimina! Pela 1a vez num sonômetro, a medição vibratória é proposta com a conexão de um sensor sem fio, sobre 3 eixos e simultaneamente com a medição acústica.

Multi-tarefas e eficiente: o FUSION mede perfeitamente o ruído e as vibrações. Com suas potentes funcionalidades, é fácil passar de uma medida à outra num piscar de olhos.

Hiper-Comunicante: o FUSION é o 1o sonômetro que permite intervir à distância para gerenciar campanhas de medição através de Wifi, modem 3G embarcado, Ethernet

FUSION, Smart Sound & Vibration Analyzer é o sonômetro mais inovador do mercado, mas sobretudo uma ferramenta de produtividade excepcional.

O SOLO BLUE O1 dB  permite avaliação de ruído ambiental e ruído ocupacional por Bandas de oitavas e terça de oitavas. Com o1 registro de leitura cada .125s ou 08 Leituras por Segundo ou 480 leituras por minuto (o1 Dosímetro faz 01 leitura por segundo). O Nível de incertezas diminui consideravelmente com grande ganho na qualidade da amostra

Pedro Valdir Pereira
Consultor de Saúde e Segurança do Trabalho
Instrutor de Treinamentos Credenciado pelo Corpo de Bombeiros/ RS Matrícula  000185/2011 e  00379/2013
Técnico Internacional em Emergências Químicas  – Especialista  pela NFPA 472 – HazMat Technician Standard  for Professional Competence of Responders to Hazardous Materials Incidents – Technician Level – transportation technology center, University of Texas – inc. USA
Safety Technician – Ergonomics, Occupational hygienist, Health and Safety
Delegado Eleito para representar o RS na Conferência Nacional de Defesa Civil – Brasília em NOV 2014


Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta

Open chat
1
Fale com nosso setor comercial! Como podemos te ajudar?